1 de abr de 2017

Importadora Pantalla anuncia a importação da nova Scania para o Paraguai.

Empresa anunciou uma unidade da série R.

Texto de Érico Pimenta. Editor-Chefe do Midia Truck Brasil.

 Deste o seu lançamento em 2016, a Scania NextGEN tem deixado muita gente ansiosa para dirigir e conhecer o novo modelo da Scania de perto. Ainda não tem uma data para o seu lançamento no Brasil ou em outros países da América do Sul, porém ela pode chegar de forma não oficial no Paraguai.  



 A empresa Pantalla, que é uma importadora de modelos da Scania, anunciou uma Scania R500 (novo motor em linha) Highline 4x2. Segundo a postagem da empresa em sua página no Facebook, o modelo está com 30 mil quilômetros rodados, o que para um caminhão e bem baixo. O modelo é equipado com Opticruse e Retarder, 2 tanques que juntos tem capacidade para 1.250 litros.

 Já no interior, o modelo não deixa a desejar já que conta com a cabine Confort, que inclui bancos em couros, ar-condicionado digital, volante em couro esportivo, painel de instrumentos digital e central multimídia. 

 Confira a postagem abaixo:



 O valor do modelo é de 125 mil dólares, o que em conversão feita no dia 01/04 ficaria em torno de 319 mil reais, o que é um preço bem perto de um modelo mais básico no Brasil. Caso alguém compre o modelo, ele demora 45 dias para ser entregue.  



A ideia é boa, mas talvez não seja....

 Por mais que a Pantalla tenha uma larga experiência em importar caminhões e uma portfolio que conta com incríveis modelos, importar um modelo que nem foi lançando seja no Brasil ou no Paraguai pode não ser uma boa ideia.

 No anuncio não deixa claro se trata de um modelo Euro5 ou Euro6, o que já pode ser um problema, já que algumas peças de insumo maior, como filtro de óleo pode ter um uso exclusivo, ou seja, o filtro do Euro5 pode não funcionar no Euro6, além disso, outras partes como retrovisores, para-brisa ou faróis, caso aconteça algo que seja necessário trocar, pode se tornar uma tremenda dor de cabeça já que não vai conseguir encontrar essas peças, tendo que importar.

 Mas, no fim, temos que esperar e ver se alguém vai querer ter tal exclusividade de ser dono da primeira NextGen na America latina.