Header Ads

Main

Maioria das ocorrências do Move envolve falhas mecânicas

Fotos: Marcos Michelin/EM/D.A Press

 Como todo novo sistema de transporte em implantação, o que requer ajustes, o Move tem apresentado problemas desde o início de operação, em 8 de março – na Estação São Gabriel. A maioria das ocorrências, entretanto, envolve falhas mecânicas de carroceria ou chassi dos ônibus, conforme levantamento elaborado pelo blog com o auxílio do colega Landercy Hemerson. O que confirma eficiência da BHTrans na implantação do transporte rápido por ônibus em fases, com o objetivo de reduzir o tempo de viagem em 50% entre a Região Norte e o Hipercentro, beneficiando cerca de 700 mil usuários. Não foram registradas ocorrências graves envolvendo a transição entre as antigas e novas linhas, situação diferente à implantação do Move metropolitano, marcada pela desorganização. A Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte tem, por outro lado, um grande desafio pela frente: reduzir os acidentes na região central por invasão da faixa exclusiva, o que já levou a pelo menos uma morte por atropelamento. 

 As falhas na frota acendem o alerta para os fabricantes dos ônibus, em especial a Mercedes-Benz. O principal fornecedor dos quatro consórcios operadores do transporte coletivo de Belo Horizonte soma dois casos graves com o modelo articulado Mercedes-Benz O-500 MA: um incêndio e uma perda de freios, além de outras ocorrências. 

 O O-500 MA é o mesmo modelo que levou à paralisação de parte da frota do Transoeste, no Rio de Janeiro, por superaquecimento na parte traseira. O episódio levou, inclusive, a um teste de refrigeração da Marcopolo para o Move, embora a Mercedes-Benz tenha alegado que as razões foram a contaminação do motor pelo corte da grama ao longo da pista exclusiva do Transoeste (corrigida com a aplicação de uma chapa lateral) e o compressor do ar-condicionado. 

Ônibus Marcopolo equipado com o chassi Mercedes-Benz O-500 MA 

 Todos os fornecedores do BRT de BH tiveram prazo curto para iniciar a entrega da nova frota de 428 coletivos. O primeiro lote de ônibus, articulados (o que inclui o Move que pegou fogo na Pedro I), foi entregue em fevereiro, semanas antes do início da operação. Os consórcios só fecharam a encomenda dos ônibus no fim do ano passado, por incertezas com o prazo de conclusão dos corredores Cristiano Machado, Antônio Carlos/Pedro I/Vilarinho, adiado sucessivas vezes.


OCORRÊNCIAS COM O MOVE

Principais falhas mecânicas e acidentes registrados:

8
falhas mecânicas

3
acidentes (dois com moto)

2
atropelamentos no Hipercentro

3
mortes

Cronologia:

19/7

Ônibus articulado da linha 82 (Estação São Gabriel/Savassi via Hospitais) estourou uma das correias do motor, apresentando fumaça, o que chamou a atenção de transeuntes na Avenida Brasil, esquina com Carandaí, no Santa Efigênia. O motorista afirmou que só havia um passageiro no momento da ocorrência. A unidade (carroceria Caio Millenium BRT chassi Mercedes-Benz O-500 MA) pertencente à Viação Progresso, do consórcio BH Leste, é nova e havia rodado menos de 15 mil quilômetros. 

Adriano Boaventura/Divulgação 

15/7 

Coletivo articulado desceu desgovernado a Rua Ouricuri e atingiu outro ônibus, da linha 5534 (Conjunto Zilah Spósito). Um dos veículos avariou o muro de um condomínio e o outro atingiu a entrada da uma residência. No local funciona a garagem da Auto Omnibus Floramar. Moradores reclamaram que a empresa estaciona os ônibus na rua, causando problemas no trânsito e insegurança. Representante da empresa se defendeu alegando que os veículos não ficam do lado de fora. Segundo boletim de ocorrência, o veículo desgovernado (carroceria Caio Millenium BRT chassi Mercedes-Benz O-500 MA), da AOF, consórcio Pampulha, apresentou falha nos freios

Pedro Henrique/Divulgação 

No mesmo dia, um homem de 66 anos foi atropelado por um ônibus articulado da linha 83D (Estação São Gabriel/Centro - Direta) na Avenida Paraná. A vítima quebrou o braço esquerdo e foi levada consciente para o hospital João XVIII. Testemunhas relataram que o idoso teria entrado na frente do coletivo, que não conseguiu parar.

2/7
Duas pessoas morreram depois que a moto em que estavam colidiu em um ônibus articulado da linha 52 (Estação Pampulha/Lagoinha), que fazia uma conversão na Avenida Presidente Carlos Luz. O coletivo havia deixado a garagem da empresa Rodopass e seguia para a Estação Pampulha. A motocicleta foi parar debaixo do coletivo, o que dificultou o resgate.

TV Alterosa/Reprodução 
30/6
Quem passava pela Avenida Pedro I foi surpreendido com o incêndio que consumiu um ônibus articulado da linha 61 (Estação Venda Nova/Centro - Direta) em minutos. Testemunhas afirmaram que o fogo foi iniciado na articulação do veículo, onde há uma rótula que conecta os dois vagões e componentes elétricos. Os sete passageiros a bordo saíram ilesos. Foi contratada uma perícia para analisar a causa. Mercedes-Benz e Marcopolo (fabricantes do coletivo Viale BRT O-500 MA da Viação Jardins, do consórcio Pampulha) designaram técnicos para estudar o caso. BHTrans e Setra declararam que, caso seja constatado problema de fabricação, exigirão recall.
 
Marcos Vieira/EM/D.A Press 
12/6

Um morador de rua morreu ao ser atropelado por um ônibus articulado da linha 83D na Avenida Santos Dumont. O acidente, por volta das 6h50, foi a primeira ocorrência com morte envolvendo o novo sistema da capital. O motorista do Move contou que foi surpreendido pelo homem, que teria atravessado a avenida com o sinal verde aberto.

Paulo Filgueiras/EM/D.A Press


30/5
 
Dois problemas na abertura das portas dos ônibus foram registrados. O primeiro, durante a manhã, na estação de transferência (ET) Senai do corredor Antônio Carlos. O segundo, no início da noite, na ET Tupinambás, na Avenida Paraná. Neste episódio, passageiros forçaram a abertura da porta, o lacre quebrou e o veículo teve de ser substituído.

7/5

Ônibus da linha 83D se envolveu em um acidente com um carro que invadiu a faixa exclusiva do Move, no Viaduto Leste do Complexo da Lagoinha. Não houve feridos.

25/4
Durante uma viagem da linha 83, um ônibus articulado estragou na Avenida do Contorno, ocupando uma das faixas por aproximadamente duas horas. A correia do ventilador estourou e atingiu a mangueira de combustível, que se rompeu. O líquido vazou e caiu no motor, o que provocou fumaça.

Reprodução/BHTrans 


2/4

Moto colidiu em coletivo articulado da linha 82 na faixa exclusiva do Viaduto Leste. Ninguém ficou ferido.

13/3

Dois coletivos articulados tiveram defeitos registrados no terceiro dia útil de operação do Move. Um apresentou falha no ar-condicionado e nem chegou a circular. No outro, além da falta do ar-condicionado, o alerta sonoro de parada solicitada ficou inativo. O ônibus da linha 82 fez duas viagens pela manhã, mas foi recolhido para a garagem depois das reclamações dos passageiros.


Texto: Bruno Freitas, editor chefe do Faixa Exclusiva


Tecnologia do Blogger.