Header Ads

Main

AGU pede à Justiça liberação das rodovias bloqueadas pelos caminhoneiros



Texto de Agência Brasil.

 Com objetivo de suspender os bloqueios das rodovias federais em sete Estados, promovidos pelos caminhoneiros, que reivindicam, entre outras coisas, a redução nos preços dos combustíveis, a Advocacia-Geral da União (AGU) decidiu nesta segunda-feira (23) entrar na Justiça Federal com um pedido de liberação das rodovias bloqueadas. De acordo com a AGU, a medida tem o apoio do Ministério da Justiça, por meio da Polícia Rodoviária Fderal e da Força Nacional.

 As ações, segundo a AGU, foram ajuizadas nos Estados de Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, do Paraná, de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul. O órgão informa ainda que pediu a autorização da Justiça para que o Poder Público possa adotar "medidas necessárias para garantir a circulação nas pistas e a fixação de multa de R$ 100 mil para cada hora que os manifestantes se recusarem a liberar o tráfego".

 Nas ações, as procuradorias regionais da União argumentam que "os bloqueios aumentam os riscos de acidentes e ameaçam a segurança de todos que precisam utilizar as rodovias, além de provocarem graves prejuízos econômicos ao impedir que cargas, muitas delas perecíveis ou perigosas, cheguem ao destino".

Cidades de Mato Grosso, Paraná e Santa Catarina já registram pontos de desabastecimento de combustíveis devido aos protestos promovidos por transportadores e caminhoneiros em rodovias do Brasil, segundo o Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Combustíveis e de Lubrificantes (Sindicom), informou a agência "Reuters".

"Por enquanto são algumas cidades mais afetadas, algumas cidades menores e mais distantes de pontos de suprimentos", afirmou o diretor de Abastecimento do Sindicom, Luciano Libório. "Mas se permanecer mais um, dois dias, pode se transformar em uma situação bem mais grave."

 Os protestos promovidos por transportadores e caminhoneiros contra os baixos preços de frete e os custos com combustíveis prejudicam também o transporte de outras cargas, incluindo produtos alimentícios, e o escoamento de produtos do agronegócio em diversos Estados brasileiros nesta segunda-feira.

Tecnologia do Blogger.