About Me


BACKROOM, AEAMESP e CREA-SP debatem o uso de controles inteligentes no setor metroferroviário

Metro em Belo Horizonte. Divulgação CBTU

 Webinar teve como foco destacar a importância da coleta de dados para uma tomada de decisão mais integrada e assertiva 

 Na última quarta-feira (18), BACKROOM, empresa de especializada em soluções baseadas em Internet das Coisas (IoT), em parceria com a Associação dos Engenheiros e Arquitetos de Metrô (AEAMESP) e com o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Estado de São Paulo (CREA-SP), promoveu um Webinar sobre Manutenção Integrada para o setor metroferroviário, com foco em supervisão, controle suportado pela coleta de dados remota e on-line dos equipamentos e sistemas. 

 

 Mediado por João Paulo Monetti, diretor da BACKROOM, o encontro contou com a participação de executivos da TMV Control Systems, empresa que nasceu, em 2005, da visão de projetar e fabricar sistemas de controles avançados para área metroferroviária. Após o sucesso consolidado em diferentes partes do mundo, a nova geração de Controles Inteligentes da companhia chega ao Brasil, por intermédio da BACKROOM.  

 

 Durante a apresentação, Christopher Rhoades, Vice-presidente de Vendas e Desenvolvimento de Negócios da TMV, falou sobre a missão da empresa de ser um fornecedor de soluções inovadoras de engenharia para sistemas metroferroviários. “A TMV Control Systems Inc. foi criada para oferecer uma plataforma de Sistema de Controle para operação eficiente do equipamento ferroviário, cuidadosamente projetada para permitir a expansibilidade e acomodar a evolução da tecnologia”, disse. 





 A empresa disponibiliza a solução TECU (Unidade de Controle de Motor de Tração), um sistema intuitivo e fácil de operar. A plataforma de produtos da TMV é instalada dentro de um pequeno rack, com fácil e rápida instalação. Os módulos compilam uma ampla gama de dados de sensores e dispositivos em tempo real (IOT) que podem ser enviados para um servidor em nuvem que guarda grandes volumes de dados, de longos períodos de tempo de sensores, localização e alertas. Os dados em questão permitem análises de fácil visualização para a manutenção e para tomadas de decisão (BIGDATA).  

 

 A solução monitora a frota metroferroviária 24 horas por dia e envia e-mails de alerta na ocorrência de alguma falha para as pessoas selecionadas (AI – inteligência artificial), otimizando o dia a dia do profissional metroferroviário, facilitando assim a manutenção e a operação, e permitindo reduções de custo com melhoria de performance. O IOT, a BIGDATA e a AI funcionam integrados de forma a suportar a manutenção preventiva e corretiva, bem como permitir a manutenção preditiva. 

 

 Para enfatizar o potencial da plataforma TECU, Rhoades aproveitou o momento para apresentar um estudo de caso da TMV junto à Brookville Equipment Corporation, que tinha como demanda o acesso instantâneo aos dados armazenados e aos status das locomotivas. “A solução proposta foi a adoção da tecnologia de RHS (monitoramento remoto de funcionamento dos equipamentos) da TMV, usada em conjunto com a unidade de controle do motor de tração TECU instalada em 12 locomotivas BL36PH para a Autoridade de Trânsito Regional do sul da Flórida. Isso permitiu que a South Florida RTA e a Brookville trabalhassem em colaboração para analisar dados com o objetivo de suportar a manutenção preventiva, corretiva e preditiva da composição”, contou Rhoades. 

 

 Na sequência, Isaac Sutherland, Software Designer da TMV, mostrou aos participantes como o sistema funciona em tempo real e como ele pode ser usado no controle de dados de frota de trens, de locomotivas e de vagões. Ele destacou, ainda, que o software se ajusta automaticamente ao dispositivo de visualização utilizado, estando apto para trabalhar em monitores grandes de salas de controle, bem como em celulares, notebooks e tablets, permitindo assim que a área de manutenção e os gestores tenham acesso on-line, de onde estiverem, a qualquer informação de qualquer equipamento ou sensor, ocorridos no presente ou de dados históricos do passado. 

 

 O encontro também contou com a participação de Derick Vander Klippe, Fundador e Presidente da TMV, que respondeu as dúvidas dos participantes do Webinar; e da engenheira Silvia Cristina Silva, Presidente da AEMESP, que trouxe para o debate a reflexão sobre a importância de gestores metroferroviários para atuarem com base em dados. 

 

 Ao final do Webinar, Monetti reforçou que a solução da TMV é uma nova maneira de controlar as operações. “De 60 a 90 dias, que é o tempo de instalação do sistema, é possível ter uma frota inteira monitorada e, com ela, receber e enviar informações, configurar alertas sobre o que é ou não emergencial, entre diversas outras funcionalidades”, concluiu. 


Sobre a AEAMESP 


 A Associação dos Engenheiros e Arquitetos de Metrô (AEAMESP), fundada em 14 de setembro de 1990‏, é uma entidade de fins não econômicos que agrega engenheiros, arquitetos, geólogos e outros profissionais de nível superior, devidamente registrados nos Conselhos Regionais de Engenharia e Agronomia (CREAs) e nos Conselhos de Arquitetura e Urbanismo (CAUs). 


 A AEAMESP realiza anualmente, em São Paulo, a Semana de Tecnologia Metroferroviária, desenvolve ações de natureza técnica, tecnológica e com entes federativos no âmbito municipal, estadual e federal, visando o fortalecimento do setor e promove atividades esportivas, recreativas e sociais. 


Postar um comentário

0 Comentários