Publicidade

Slider[Style1]

Style2

Style3[OneLeft]

Style3[OneRight]

Style4

Style5

Style6[OneLeft]

Style6[OneRight]

MAN começa a fornecer motores para a International.


 A montadora americana International Trucks começou a comercializar o seu novo motor: o A26.

Texto de Érico Pimenta. Editor-Chefe do Midia Truck Brasil.

 Em meado de setembro de 2016, a Volkswagen Trucks & Bus (que também e dona da Scania e MAN) assinou um acordo de cooperação com a Navistar (Atual dona da International Trucks) que já está começando a dar frutos, entre eles o novo motor: O International A26. O motor A26 é um motor de 12,4 Litros que vai entregar 475 cavalos e 2.370 Nm. O A26 é montado usando o motor MAN D26 como base.



 Segundo informações obtidas, o motor vai equipar os caminhões da International da classe 8 (rodoviários de longa distância). Ainda segundo a Navistar, o novo motor consegue entregar uma economia de 5% no consumo de combustível e terá os intervalos para a troca de óleo acima de 100.000 quilômetros.  

 Em 2016 a Volkswagen anunciou a compra de 16,6% da Navistar, proprietária da marca International Trucks. Vale lembrar que na Austrália a Iveco é atual proprietária de 100% da marca International Trucks Austrália.  


Volvo entrega VM 270 para o ganhador da campanha “Pegando a Estrada com o Consórcio Volvo"


José Cardoso Neto levou para casa um VM 270 zero km.

Texto de Érico Pimenta. Editor-Chefe do Midia Truck Brasil.

 A Volvo Caminhões entrou o Volvo VM 270 6x2 para José Cardoso Neto, que foi o vencedor da campanha “Pegando a Estrada com o Consórcio Volvo”. A campanha foi iniciada em fevereiro de 2016 e terminou no último mês de janeiro de 2017.  



 A promoção foi feita pela Volvo Financial Services Brasil (VFS) e o sorteio foi realizado no dia 8 de fevereiro. Ao final da promoção, o cliente vencedor da promoção poderia escolher o prêmio que desejasse entre três opções:

Volvo VM 270cv 6x2,
Chassi de ônibus B340R 4x2,
Miniescavadeira sobre esteiras Volvo ECR88 Plus,

 “Estamos muito felizes com este prêmio. E nos surpreende a qualidade dos caminhões Volvo. O solo em que trabalhamos é difícil, pegamos asfalto, terra de chão batido, mas sempre podemos contar com os veículos da marca”, declara Cardoso Neto. “Queremos, assim que possível, investir em novas cotas”, diz.



“Este prêmio é a coroação de um relacionamento de longa data entre a VFS e a Agricana. Quando o crédito era escasso, encontramos no Banco Volvo a confiança que precisávamos em momentos difíceis”, complementa Cláudio Centinari, também sócio proprietário da Agricana. “O consórcio é uma excelente opção. Quando começamos a adquirir cotas, fomos sorteados já no começo, o que trouxe um fôlego diferente para nossa empresa com a disponibilização do bem”, destaca.

 A Agricana Cultivo de Cana Ltda. tem pouco mais de 10 anos e atualmente emprega cerca de 150 pessoas no cultivo e beneficiamento de cana-de-açúcar, um segmento com grande peso na economia do interior paulista e um dos mais importantes do agronegócio brasileiro. A empresa tem hoje 11 cotas de consórcio.


Scania série 3. O melhor caminhão do Brasil e do mundo! Sem exageros.


Modelo é admirado ao redor do mundo como um ícone da evolução dos caminhões.

Texto de Érico Pimenta. Editor-Chefe do Midia Truck Brasil.

 Nos 60 anos da Scania no Brasil, a mesma já anunciou uma serie especial que fará uma singela e icônica homenagem ao 113, o modelo mais vendido no Brasil e um dos mais valorizados caminhões da história da montadora no Brasil.

 Se por um lado, nos brasileiros, mesmo aqueles que não seja fã da Scania, reconhecemos a importância que o 113 teve em sua época, o que faz dele um ícone em 2017, mesmo 26 anos após seu lançamento. 



 Para aqueles que não recorda, a Scania serie 3 foi apresentada no Brasil em 1991 (ano do centenário da Scania) e ficou em produção até 1998, quando foi substituída pela série 4. Em 1993, a série ganhou a versão Topline, que tinha a cabine com um teto maior, o modelo também ganhava um novo para-sol/visor, seja como você gosta de chamar.

Linha de Montagem da Scania serie 3 em 1993 na fábrica de São Bernardo do Campo – São Paulo. 

 Talvez seja quase impossível dizer porque o 113 foi um ícone, é claro que as evoluções tecnológicas que o modelo trazia em seu lançamento era um ponto forte do modelo, mas a sua manutenção barata e fácil agradava também os motoristas e frotistas na época, apesar que o modelo não era um caminhão quebra-quebra, ou seja, ele dava pouca manutenção. Por outro lado, as faixas e suas cores era um charme na época, tal charme que hoje não existe, por mais que a atual linha Streamline tenha trazido o retorno das faixas, mas as combinações de cores e faixas da série 2 e série 3 são admiradas e apreciadas até hoje. Para sermos sinceros, hoje vivemos em um mundo que o design das coisas e sempre liso, sem cores e combinações de cores, por mais que alguns gostem, não tem como não sentir saudades das épocas que os caminhões tinham cores e faixas.        



O surgimento da série 3.

 Para falar da série 3, temos que descer uma escada e ficar no degrau da série 2, isso porque como todos sabem a série 3 e a evolução da série 2, e essa por si também foi um grande caminhão e digamos que foi um acerto da Scania.

 O Programa GPRT. A Scania série 2 foi desenvolvida pelo programa GPRT, no qual era um programa que visava construir um caminhão modular, ou seja, um caminhão que poderia receber diversas configurações para as mais diversas aplicações do transporte naquela época não so na Europa, mas no mundo todo, isso claro nos anos 80. Parte fundamental do programa, era os estudos em tuneis de vento, que ajudava a criar um design funcional, harmonioso e aerodinâmico, que no final deixa o caminhão com uma melhor economia, é para conseguir um desenho e design ideal, a Scania convidou o “wonder-boy” Giorgio Guigiaro da ItalDesign. Na época a Scania entrou em contato com a ItalDesign através da encarroçadora Karnmann, em Osnabruck, na Alemanha, que dava apoio a Scania, em Oskarshamn. 

Modelos do programa GPRT.

 Giorgio foi um nome importante no início do programa GPRT. Inicialmente todos ficaram impressionados com o modelo T, que mantinha o motor externo, porém o que mais agradou a todos era o conforto que os modelos ofereciam, não importando a configuração. O interior tinha muito espaço e conforto, as portas abria a um ângulo de 90° graus, algo impressionante para época. O motor ocupava menos espaço e o controle da caixa de machas era mais próximo ao motorista, além disso o painel de instrumentos era totalmente novo, e o motorista podia ajustar o volante em altura e ângulo e por último, o filtro de ar era padrão nos modelos. Todos esses elementos era um grande diferencial da série 2 em relação a outros modelos em sua época. 

                         Vídeo da série 2 e 3. O vídeo se repete sem som.  


A série 3 e Streamline.

 Na Europa, a série 3 foi apresentada em 1988 (1991 no Brasil) e trazia todo o aprendizado e experiência da série 2 de forma melhorada. O interior foi redesenhado por Aldo Sessano, que também era italiano. O novo desenho de Aldo trazia um painel de instrumentos mais envolvente, e o motorista não precisava se inclinar para ver as informações, e o acesso aos controles era fácil e preciso. Além do novo interior, a série 3 também contava com novas tecnologias eletrônicas e até já podia ser equipada com suspensão traseira a bolsas de ar. O novo motor era um grande diferencial também da série, que ganhou mais potencias e ficou mais econômico. 


 Scania 113H 360 4x2 Topline. Conjunto clássico. 

 1991 Streamline. Já em 1991, a Scania introduzia no mercado europeu a série Streamline, que foi desenvolvida encima da série 3. O modelo tinha uma redução de 0,5 no coeficiente de resistência a velocidade, o que em termos mais simplificados, ela era mais aerodinâmica, ou seja, ela cortava o vento com uma maior facilidade. O resultado dessa inovação era um consumo de combustível entre 4 e 5% menor ou 2 a 3 litros a cada 100 km, o que significava que se um caminhão roda 120 mil km por ano, ele terá uma economia de 2.400 a 3.600 mil litros por ano. 

Scania Streamline série 3. Modelo era equipado com motor V8 de 14 litros de até 500 cavalos. O caminhão mais potente da época. 

 Scania 113 O modelo mais vendido do Brasil. Se na Europa o 113 tinha mais tecnologia que no Brasil, isso não significava que o modelo brasileiro era ruim. Na verdade, o programa GPRT foi um dos grandes acertos da Scania, já que o modelo servia exatamente o seu proposito em diferentes países. No Brasil, país onde as estradas nunca foram boas, o modelo resistia bravamente e não estragava fácil, o que fez ser um sucesso de vendas. Segundo dados da Scania, o 113 vendeu 26.398 unidades.

 Série 3, o melhor caminhão do mundo. Se por um lado no Brasil o modelo e um ícone, na Europa ele é considerado o melhor caminhão do mundo. O fato aconteceu em 2015, quando a Commercial Motor (a maior e mais conceituada revista de transporte do mundo) fez um top 100 dos melhores caminhões de todos os tempos, no qual a Scania serie 3 ficou em primeiro lugar. Na verdade, a Scania conquistou 4 lugares no top 100.

1º Scania série 3.
4º Scania série 1.
11º Scania R-series.
26º Scania-Vabis LB 76.
  
 De fato, como podemos ver, a Scania tem que se orgulhar de ter criado um programa no qual resultou um caminhão que até hoje é admirado, e por isso fará jus ao homenagear a série 3 nos 60 anos da Scania no Brasil. Na Europa o modelo também foi homenageado com a série limitada Blue Stream desenhada por Svempas. 

Scania série limitada BlueStream.

 E você, esta ansioso para ver a nova série especial da Scania? A serie deve ser apresentada dentre os próximos dias. Por mais que algumas fotos do modelo já estão circulando na internet, informações sobre acessórios, motorização e outros detalhes técnicos só serão divulgados junto ao lançamento.  


ETS2 Rotas Brasil apresenta mini game play e data de lançamento.


Projeto vem sido elogiado pela comunidade de jogadores do Euro Truck Simulador 2.

Texto de Érico Pimenta. Editor-Chefe do Midia Truck Brasil.

 A Sinaspe Games, desenvolvedora do ETS2 Rotas Brasil, apresentou na tarde desta quarta-feira (22) um mini game play referente ao seu projeto ETS2 Rotas Brasil. No vídeo, e possível ver novos detalhes do projeto como a animação de pedestres, elementos dos bairros como casas, comercio e até uma caminhonete vendendo pamonhas. 



 Ainda no teaser, é possível notar detalhes realista do Volvo EDC, que está acoplado a um implemento basculante 3 eixos.

A data de lançamento revelado no vídeo e para o dia 30 de junho.

 Como devem lembrar, em entrevista ao Midia Truck Brasil, Wagner Marciano não divulgou o preço exato do mapa, porém os valores citados ficariam entre R$50,00 para o mapa e aproximadamente R$100,00 para o mod de caminhões.

 Confira o vídeo abaixo. (anexado do Facebook)


 Para o futuro, o ETS2 Rotas Brasil contará com rotas nas cidades do Rio de Janeiro, Espirito Santo e Minas Gerais. Para a parte de veículos, o jogador poderá comprar os modelos: Scania Streamline, Volvo NL12, Mercedes-Benz Atron é o ônibus Marcopolo G7. 



Boeing apresenta o novo Dreamliner 787-10.

 Nova aeronave é a terceira da família Dreamliner que conta com os modelos 787-8 e 787-9.

Texto de Érico Pimenta. Editor-Chefe do Midia Truck Brasil.

 Foi apresentado na última sexta-feira (17) o mais novo integrante da família Dreamliner da Boeing. O novo modelo 787-10 foi apresentado na fábrica da Boieng em North Charleston, na Carolina do Sul. Para o evento de apresentação da nova aeronave, além dos funcionários da empresa, também esteve presente ao evento o Presidente dos Estados Unidos, Sr. Donald Trump e o Governador da Carolina do Sul, o Sr. Henry McMaster.  



  O novo avião da fabricante Boeing, o 787-10 Dreamliner é o resultado de um novo projeto que levou vários anos para ser concluindo. O 787-10 é a última aeronave da série Dreamliner e será o substituto direto do 777-200ER, que ainda se encontra em produção. O novo 787-10 tem capacidade média para 330 passageiros, 68,2 metros de comprimento, capacidade de voo para 11.910 km a uma velocidade média de 945 km/h.

 A Boeing ainda revelou que o novo modelo 787-10 começa a voar ainda neste ano de 2017, porém suas entregas estão previstas para o próximo ano de 2018. O novo jato comercial já chega no mercado com bons números, o modelo já recebeu 149 encomendas pelo 787-10 de 9 clientes diferentes, dentre eles, o maior pedido foi feito pela Singapore Airlines, de Cingapura que pediu 30 unidades do novo modelo. 



 Ainda segundo a fabricante, o novo 787-10 Dreamliner é 25% mais econômico do que outros modelos do mercado.

Sucesso Dreamliner.

 A família Dreamliner tem conseguido bons resultados para a Boeing, que deste 2011 já foram comercializados mais de 500 exemplares do 787, nas versões 8 e 9. A empresa ainda conta com mais 541 pedidos de aeronaves. Esses números coloca a Boeing com o jato comercial de nova geração mais vendido do mundo, superando o seu rival direto, o Airbus A350 em mais de 400 unidades. 


Guerra demonstra pioneirismo e tecnologia ao lançar novo sistema de amarração de cargas para sua linha 2017.

 Implementadora mostra-se atenta as novas exigências do CONTRAN e apresenta sistema para a amarração de cargas.

Texto de Érico Pimenta. Editor-Chefe do Midia Truck Brasil.

 A Guerra, acaba de lançar um novo e exclusivo sistema que já está disponível para todos os Graneleiros e Carga Seca da Guerra. Ainda segundo a Guerra, o novo sistema foi testado e homologado em conformidade com as especificações da nova resolução do CONTRAN 552/15. 



 O novo sistema da Guerra, permite que a carga seja amarada ou ancorada tanto pelo lado interno da plataforma de carga como pelo lado externo do chassi, possibilitando as mais diversas variações e disposições de cargas encontradas pelos transportadores, sempre em conformidade com os critérios legais.  

 As carretas Guerra com ano/modelo 2017/2017 já estão sendo equipados com os novos pontos de ancoragem, mas também é possível a compra do kit de adaptação para os modelos Guerra. O motorista ou empresa que queira fazer a compra do kit, pode entrar em contato com um dos 40 distribuidores Guerra em todo o Brasil, que estão capacitados para realizar tal procedimento, que ainda, segundo a Guerra, segue um rigoroso controle de qualidade e orientações técnicas da fábrica.



 A legislação 552/15 prevê que a partir de janeiro de 2018, a obrigatoriedade desta configuração, devidamente testada, para os implementos rodoviários que estão em circulação.

 A Guerra também disponibiliza para o mercado um novo sistema de amarração de cargas para Baús Lonados (Siders), este que já está incluso nos modelos da Linha Garra 2017/2017, e pode ser incorporado aos veículos em circulação


Top