Header Ads

Main

Alteração em eixo é ilegal e pode trazer prejuízos.















Alteração vai contra o código de transito.

 Recentemente, tivemos uma longa discussão sobre a questão da traseira “arqueada” ou alta, na qual foi tema de várias matérias na imprensa especializada e até mesmo ganhando percussão em veículos como a televisão, mas parece que temos uma nova "mania" que também pode ser ilegal.





 Você já deve ter visto na internet ou até mesmo na estrada, modelos como da foto acima. A modificação visa melhorar a distribuição de peso, fazendo que o caminhão tenha um ganho na capacidade de carga, mas o que parece ser um ganho, pode trazer prejuízos. Um fato é que a maioria dos modelos que aderem essa nova configuração, são os Scania serie P, então o Midia Truck Brasil procurou a Scania do Brasil para poder comentar sobre a modificação, fomos atendidos pelo Marcel Prado, responsável pelo Portfólio de Produtos da Scania no Brasil.

 Marcel Prado diz: “Estas alterações não são originais de fábrica e com certeza trazem a perda da garantia deste componente do veículo, além de possíveis problemas de funcionamento da suspensão, freio e outros itens, pois estes componentes não foram projetados para terem os eixos a uma distância maior que a liberada de fábrica”


Veja abaixo uma ilustração que mostra a diferença entre um modelo original de fábrica e com a modificação: 


Marcel também ressalta que se falando em legislação existem duas resoluções que indica que a modificação não é permitida, que são:




 Resolução N° 210 – “ARTIGO 2° / PARÁGRAFO a) peso bruto total para veículo não articulado: 29t” à esta já inviabiliza a alteração para veículos 8x2, pois estes já estão na capacidade máxima com a configuração de eixos que saem de fábrica.

 Portaria N°63 – “Anexo I” - não contempla esta possibilidade de eixos espaçados em caminhões “rígidos”, isto é, sem quinta roda.


 Em todo o caso, vale lembrar que a perda da garantia pode trazer prejuízos futuros é além disso essas modificações podem trazer outros problemas de longo prazo como desgaste maior dos pneus entre outros. 

Texto: Érico Pimenta, editor chefe Midia Truck Brasil.



5 comentários:

  1. Concordo que alterações sem critério a curto ou longo prazo trarão prejuízos e podem legalmente serem vetadas. Todavia, digo que a depender do mercado, interesse das montadoras, e aqueles que teoricamente sabem legislar, o que seria proibido ou era nicho passa a ser garantia de crescimento.
    Há um tempo, empresas de modificação empregavam o segundo eixo direcional em 6x2 e 4x2, mas nenhuma ou só uma fabricante ofertava de fábrica. Hoje, oficialmente, Scania, Volvo e VW já disponibilizam configurações 8x2.
    Scania e Volvo, por encomenda, disponibilizam veículos com cinco eixos. A VW/MAN, por necessidade de um cliente, criou o Constellation 10x2 e 10x4 sob encomenda, e este veículo tem o quinto eixo distanciado só que direcional, que em parte é a proposta das modificações vistas no modelo Scania P 8x2 com o distanciamento dos eixos traseiros. Talvez peca neste produto a falta do eixo direcional, pois a própria Scania na configuração 10x4 embora não adote eixos distanciados, o quinto eixo é direcional em giro inverso aos dois dianteiros.
    GINAF e Terberg na Europa fazem mudanças em veículos da DAF e Volvo criando um certo afastamento no quarto eixo e passando este a ser direcional.
    Outra coisa que considero incoerente são os LS não poderem ter um quarto eixo, mas há semirreboques do tipo carrega tudo com quatro eixos fixos, alguns até tem cinco. Raros são os que tem a função direcional. Engraçado é ver um vanderleia com três eixos e por lei esta tem que ter um eixo auto direcional. Se não tivesse, teríamos um semirreboque com arrasto similar a cinco eixos fixos, mas graças a um eixo direcional, o comportamento difere pouco de um semirreboque com três eixos fixos e essa diferença depende do ângulo de giro do eixo direcional. Nesta ótica, um LS com quatro eixos sendo um direcional afastado e três fixos conjugados embora elevasse a capacidade de carga, o arrasto poderia ser igual ao um três eixos conjugados com o quarto eixo tendo ângulo de giro maior, então não vejo porque proibir. Seria preciso adequar melhor a configuração de eixos, até porque na Europa há semirreboques com mais eixos que aqui, contudo a presença dos eixos direcionais é bem maior.
    Ao invés de proibir certas configurações talvez por apresentarem falhas, deveriam é analisar porque estas em outros locais existem e são permitidas.

    ResponderExcluir
  2. PQP veey... Tudo pra vçs é proibido..affz

    ResponderExcluir
  3. Se for aprovado pelo inmetro, qual o problema?! Nenhum!!

    ResponderExcluir
  4. Bom seria aprovar o 5º eixo, aí sim...

    ResponderExcluir
  5. eu estou sentindo uma treta

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.